Resenha | Universo DC Renascimento: Arqueiro Verde – Volume 1

Resenha | Universo DC Renascimento: Arqueiro Verde – Volume 1

Autor: 72

Ficha técnica

Resenha | Universo DC Renascimento: Arqueiro Verde – Volume 1

Título original: Green Arrow Vol. 1 – The Death and Life of Oliver Queen
Autor: Benjamin Percy
Ilustrador: Otto Schimidt & Juan Ferreyra
Gênero: Super-herói
Editora: DC Comics
Ano: 2017

Avaliação Uber7

Unindo características que tornaram o Arqueiro Verde um dos grandes vigilantes da DC Comics às inovações que precisaram de muito trabalho para conseguir a devida aceitação na fase dos Novos 52¸ ‘Arqueiro Verde – Vol. 1‘ se mantém equilibrado na maior parte do tempo. Não impressiona, mas também não causa o efeito contrário.

Trazer uma nova visão para um personagem é algo complicado por si só. E foi nas mãos de Benjamin Percy que caiu a responsabilidade de comandar os roteiros desta HQ: o início da nova fase do vigilante e milionário Oliver Queen na iniciativa DC Renascimento.

As primeiras edições do compilado trazem a preocupação de mostrar Oliver Queen como o herói dos fracos e oprimidos, o “Guerreiro da Justiça Social”, como é constantemente ironizado por outros personagens.

O problema é que o roteirista não se preocupou em criar diálogos e situações que demonstrassem isso, o que inclusive acaba enfraquecendo a premissa central da história – na qual os grandes vilões são bancários e corporativistas que sequestram e escravizam pessoas em situação de rua. O que acaba sendo exposto são apenas autoafirmações do próprio Arqueiro Verde, que fica ressaltando seus feitos passados e lembrando como gasta dinheiro ajudando as pessoas (muitas vezes, por meio de propinas). Isso é pontuado pela própria Canário Negro durante a história.

E sim! O fã do herói pode parar de reclamar que a relação entre Oliver Queen e Dinah Lance, a Canário Negro, foi deixada de lado durante a fase dos Novos 52. É interessante notar que o roteirista Ben Percy soube trazer à tona o clima tradicional e a química já conhecida entre os heróis.

Arqueiro Verde Renascimento

Ainda sobre retornos de velhos personagens, os roteiros de Ben Percy equilibram muito bem a volta do clássico relacionamento de Dinah com Oliver (que volta às origens com seu cavanhaque) e os aspectos de modernidade, como a decisão de manter John Diggle (esse conhecido também pela série televisiva) e Emi, personagens inseridos durante a fase do Arqueiro nos Novos 52.

A arte ficou intercalada entre Otto Schimidt e Juan Ferreyra. O que diz respeito ao segundo acabou se encaixando melhor no quadrinho por causa dos traços e pinturas mais sombrios, o que acaba combinando bem tanto com a velocidade quanto com o tom da narrativa. Schimidt e seu traço mais cartunesco acaba destoando um pouco do que se propõe a história.

+Leia também: Sete HQs da Mulher-Maravilha que você PRECISA conhecer

Lançado recentemente pela Editora Panini,No geral, ‘Arqueiro Verde – Vol. 1′ traz uma história concisa, mas que acaba se auto-sabotando por conta do mal desenvolvimento de algumas situações. Porém, nem de longe a estreia do adorado Arqueiro Verde nessa nova fase do Universo DC chega a um nível decepcionante. Certamente vale a pena acompanhar as aventuras do herói pelas mãos de Percy.

Compartilhe nas redes sociais:
Eduardo Cardoso

Professor, Colecionador e leitor de quadrinhos, apaixonado por literatura e Nerd por maioria de votos. Prefere a DC Comics, tem um gosto musical que não faz sentido, assim como sua escolha de herói favorito. Apesar de sua paixão por filmes de terror Trash/Gore ou com criaturas gigantes, seu filme preferido é O Rei Leão.

Leia Também

Resenha | Novo Super-man: Vol. 1

Resenha | Novo Super-man: Vol. 1

Entrevista | Mike Deodato Jr., lenda brazuca da Marvel Comics

Entrevista | Mike Deodato Jr., lenda brazuca da Marvel Comics

Adicione Um Comentário.