Crítica | Boneco de Neve

Crítica | Boneco de Neve

Autor: 161

Ficha técnica

Crítica | Boneco de Neve

Título original: Snowman
Data de lançamento: 23 de novembro de 2017
Direção: Tomas Alfredson
Gênero: Suspense
Produção: Tim Bevan, Eric Fellner, Robyn Solvo, Peter Gustafsson
Distribuição: Universal Pictures
Roteiro: Hossein Amini, Matthew Michael Camahan
Elenco: Michael Fassbender, Rebecca Ferguson, Charlotte Gainsbourg, JK. Simmons, Val Kilmer, Toby Jones, James D’Arcy

Avaliação Uber7

Dirigido por Tomas Alfredson e estrelado por Michael Fassbender e Rebecca Ferguson, ‘Boneco de Neve‘ consegue alternar grande qualidade técnica e uma temática interessante com um roteiro que conseguiu tropeçar nas próprias pernas pertinho da linha de chegada. E o fato de ser uma adaptação de um best-seller do autor Jo Nesbø não tem nada a ver com um possível aumento de expectativa a níveis inatingíveis,ou falta de espaço para improvisação.

A trama acompanha o detetive Harry Hole (Fassbender), que estava sedento por algum caso para atuar, uma espécie de distração do seu vício em álcool. Ao lado de uma nova integrante da polícia (Ferguson), ele começou a investigar uma série de desaparecimentos que tinham alguns aspectos em comum – o principal deles, um boneco de neve construído nas proximidades do local.

Boneco de neve 3

Por muitos minutos o filme se mostrou um suspense coeso, que não apelava para jump scares e apresentava bem os seus personagens – exatamente para que qualquer pessoa que aparecesse fosse considerada um suspeito plausível. O problema é que o tempo foi passando e as sub-tramas acabaram perdendo a graça quando comparadas ao mistério central (isso é percebido quando torcemos para que algumas cenas acabassem logo para voltar à investigação principal).

+Leia também: Crítica | Liga da Justiça

Visualmente, tudo foi retratado de forma muito bonita. A história se passou em Oslo (Noruega), então os enquadramentos utilizaram a neve a favor da poesia de certos momentos – por mais mórbidos que fossem. Tais detalhes mostraram que Alfredson tem talento para o negócio.

As atuações também foram decentes, principalmente da dupla de protagonistas. Alguns personagens secundários mandaram bem, como um médico suspeito e os familiares das vítimas, mas outros foram totalmente subutilizados. J.K Simmons teve pouquíssimo tempo de tela, por exemplo, e Val Kilmer chamou mais a atenção pelas bochechas esquisitas (sério, quase o Fofão) do que pela importância do personagem.

Boneco de neve 4

Isso tudo até poderia ser perdoado, mas as resoluções a partir do momento em que se descobriu quem era o criminoso foram inexplicáveis. A cena de ação mais importante do filme foi tão retalhada em cortes que foi preciso dar uma chacoalhada na cabeça e, se tivesse dado tempo, uma esfregada nos olhos para entender o que estava acontecendo.

Daí em diante foi uma coleção de escolhas ruins: alguns assuntos ficaram resolvidos mas não muito claros e o suspense virou quase um gore que mostrava até demais cabeças e sangue para tudo que era lado.

Para fechar, o ritmo lento, que não costuma ser um defeito por si só, não pareceu ser apenas uma opção narrativa – a verdade é que os textos que poderiam ter sido escritos de forma mais agradável e ajudado no desenvolvimento. Além disso, a demora para apresentar algumas situações no início contrastou demais com a aceleração do último arco, criando um ar de estranheza.

+Leia também: Crítica | Kingsman: O Círculo Dourado

Acabou que ‘Boneco de Neve‘ foi um filme estranho. Extremamente bem executado no início, com belas cenas e uma condução pouco ou nada carregada; mas descambou de um jeito difícil de entender. Também pareceu que há a intenção de fazer outros filmes com o protagonista – ou seria uma impressão herdada dos ONZE livros que formam a Série Harry Hole? De qualquer forma, o filme teria que se garantir sozinho, não é?

O diretor ainda pediu desculpas (!) porque teve pouco tempo para gravar e só puderam perceber a falta de alguns detalhes na fase da edição. Nobre atitude, mas que não altera o resultado, infelizmente.

Compartilhe nas redes sociais:
Filipe Rodrigues

Jornalista, apaixonado por futebol, nerd e leonino. Apesar de acompanhar tudo o que acontece no mundo dos esportes, escolheu o universo das nerdices pra dedicar seu tempo produtivo e criativo. Gosta muito de Superman; entre Vingadores e X-Men fica com os mutantes; adora coisas nostálgicas como Digimon, Power Rangers e Dragon Ball; e seu filme favorito agora é Mad Max: Estrada da Fúria!

Leia Também

Crítica | Liga da Justiça

Crítica | Liga da Justiça

Crítica | Blade Runner 2049

Crítica | Blade Runner 2049

Adicione Um Comentário.